MUNIC��PIO > Geografia, Economia e Organização Social

ASPECTOS GEOGRÁFICOS, ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS

FORMAÇÃO ADMINISTRATIVA

O Município de João Neiva foi criado pela Lei Estadual n. º 4076 de 11 de maio de 1988, com território desmembrado do Município de Ibiraçu, e instalado no dia 1º de janeiro de 1989.

A sede do Município de João Neiva se aloja entre montanhas que são entrecortadas pelo Rio Clotário e Piraqueaçu.

Ao longo das rodovias federais, estão situados os distritos de Acioli e vários povoados, tais como Santo Afonso, Cavalinho, Piraqueaçu e Cristal.

No interior do Município destacam-se o povoados de Demétrio Ribeiro, situado a 6km da sede, e a Barra do Triunfo, situada a 7km do distrito de Acioli.

 

ORGANIZAÇÃO JURÍDICA

O município pertence à Comarca de João Neiva.

 

LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Situada na Microrregião Metropolitana Expandida Norte, João Neiva, com área de 281 km2, limitada ao norte pelo município de Colatina; ao sul Ibiraçu; a leste Linhares e Aracruz; a oeste São Roque do Canaã e Santa Teresa.

Possui uma distância de 75 km da Capital do Estado – Vitória.

Com altitude mínima de 60m e máxima de 1090m.

 

RELEVO E HIDROGRAFIA

O Município possui um relevo modelado com rochas cristalinas, classificando-se como ondulado a fortemente ondulado, com cotas variando de 100 a 600 metros, possuindo boa parte de sua área com declividade acima de 30%.

Localizado na sede, encontramos o Morro do Monte Negro que faz a divisa com o Município de Ibiraçu, o Pico da Serra do Óleo com 800 metros que fica localizado, perto de Lombardia, perto de Barra do Triunfo, e ainda o Morro de Santa clara em Alto Bérgamo e o Pico de Cavalinho onde fica a torre da EMBRATEL.

 

Na hidrografia, destacam-se os rios Piraqueaçu, rio Pau Gigante, rio Ubás, rio Triunfo, dentre outros.

Os maiores rios do Município são:

  • rio Piraqueaçu: nasce em Santa Teresa, atravessa o nosso município e deságua no Oceano Atlântico, em Santa Cruz – município de Aracruz.

  • rio Clotário: nasce na cabeceira do Morro do Descanso que fica em Cavalinho e Demétrio Ribeiro e deságua no rio Piraqueaçu, em João Neiva, na ponte próxima ao Centro Comunitário.

  • rio Pau Gigante: nasce na cabeceira de Alto Bérgamo, passa por Acioli e no município de Colatina forma a lagoa Pau Gigante que deságua no rio Doce.

As principais cachoeiras do Município são:

 

  • cachoeira do Paraíso: chamada anteriormente de cachoeira do inferno – segundo antigos moradores existe nesta cachoeira uma gruta com inscrições de Antigas Civilizações, cujas cópias de letras já foram enviadas até para a Itália, para estudos. Foi encontrada nesta cachoeira, uma pedra esférica com mais ou menos 15cm de raio, hoje exposta no restaurante Califórnia, em Ibiraçu.

Através da Lei n.º 0886/98 fica denominada “Cachoeira do Paraíso” a popular “Cachoeira do Inferno”.

Localizada em Mundo Novo, com aproximadamente 80 metros de altitude.

Por possuir uma água de boa qualidade e poucas impurezas, foi canalizada pelo SAAE para abastecimento de água da sede de João Neiva e algumas localidades do município como: Santo Afonso, Cristal, Piraqueaçu, Ribeirão de Cima, Monte Negro e Juá.

  • no rio Clotário há uma cachoeira localizada dentro da cidade de João Neiva, no final da rua 7 de setembro, antiga fornecedora de energia elétrica para a cidade.

  • no rio Ubás há uma cachoeira na propriedade do Sr. João Batista, entre a Barra do Triunfo e Acioli.

  • Cachoeira Piva: com mais ou menos 10 metros de altura, próxima à Br 101-norte, no Rio Piraqueaçu.

vale observar a redução do volume de água que vem se apresentando ano após ano.

 

CLIMA

Situado nas latitudes meridionais da zona tropical, o clima deste Município é tropical megatérmico, quase mesotérmico e subúmido.

Os totais anuais de chuva são pouco superiores a 1200mm, sendo que nos últimos anos têm reduzido de acordo com informações obtidas junto ao pluviômetro instalado em Cavalinho.

A estação mais chuvosa inicia-se em outubro terminando em abril, ocorrendo um pequeno período de estiagem não sendo suficientemente forte para tornar o solo deficiente em umidade.

O verão não é suficientemente chuvoso para assegurar grandes excedentes de água para o escoamento superficial, exceto em dezembro e janeiro, quando há moderados excedentes de água no solo.

O inverno, por sua vez não é suficientemente seco para tornar os solos deficientes de umidade.

O Município possui um movimento hídrico razoavelmente equilibrado, com pequeno a moderado excedente de água no verão e quase nenhum déficit nas demais estações.

Quanto à temperatura média anual, há predominância de valores mais altos de novembro a abril, quando a média das máximas diária oscila em torno de 31ºc, 18°c para a média das mínimas e 23,45°c para a média.

 

VEGETAÇÃO

A cobertura vegetal primitiva caracteriza-se pela presença da Floresta Atlântica de Altitude (perenifólica e hidrófila) Floresta Montana.

Nos períodos mais secos algumas árvores perdem suas folhas. Embora quase toda a área tenha sido devastada para a implantação de culturas e pastagens.

Alguns trechos preservados da floresta são testemunhos da existência de uma cobertura vegetal densa, com suas matas muito ricas em palmeiras.

Muitas madeiras de lei existiam em nosso município como: jacarandá, cedro, peroba, jequitibá.

Hoje as mata que ainda existem estão em Alto Bérgamo e Terra Fria.

Predomina hoje também, os campos para a criação de gado, principalmente em Acioli, Barra do Triunfo e nas proximidades da sede de João Neiva.

 

SOLOS

Com relação ao solo, o tipo predominante é o Latosolo Vermelho Amarelo Distrólico, cuja fertilidade varia de m&eacut

Horário de funcionamento: das 7h às 13h.

Av. Presidente Vargas, 157 - João Neiva - ES - Tel: 27 3258-4713. Desenvolvido por DesignMaster