Fazedores de Cultura: conheça a história do Naná, o treinador da Escolinha de Futebol de João Neiva

 

Reinaldo Coutinho de Oliveira é uma figura emblemática e bastante conhecida em João Neiva. Popularmente conhecido como Naná, o senhor de 72 anos tem muita história para contar. Nascido em 1947 na cidade de Teófilo Otoni, em Minas Gerais, Naná mudou-se para João Neiva com apenas 19 anos. De início, o rapaz recusou a possibilidade, mas por obediência ao pai, ficou definitivamente por aqui.

A história do jovem com o futebol começa ainda muito cedo, em 1962, quando Naná passa a ser voluntário em algumas escolinhas de futebol em Minas Gerais. Ao chegar em João Neiva, o rapaz seguiu seu caminho pelo esporte. Mesmo trabalhando como operador de caldeira, Naná não conseguiu abandonar o futebol.

Naná conta que era um jogador como qualquer outro do time. Muito modesto, disse até que marcava alguns gols. Mas por obra do destino, aos 22 anos, em um jogo no município de Aracruz, Naná sofre uma lesão no joelho, o que lhe impediu de continuar jogando futebol.

Ele que conta que não desanimou, que o amor pelo esporte era tão grande, que em 21 de maio de 1969, montou a escolinha de futebol de João Neiva. De início, as aulas eram no antigo Campo do Pessotti, mas que logo passaram a ser no Campo da Ferroviária. Desde então, Naná passou a ser treinador de meninos, de 5 a 17 anos, que sonhavam e ainda sonham em ser jogador de futebol.

 

Naná conta que muitos desses garotos que um dia começaram a conhecer e aprender o esporte no Campo da Ferroviária, hoje moram em outras cidades, municípios e até países, jogando em times profissionais. Mas engana-se quem pensa quem seu Naná é apenas treinador do time da Escolinha de Futebol de João Neiva. De segunda a sábado, o senhor de aparência ainda muito jovem, bate ponto no campo da ferroviária.

Responsável pelo espaço, seu Naná cuida da manutenção e organização do campo, inclusive parou a pintura do gramado para nos contar sua história. A lavagem dos uniformes usados pelos alunos também é por conta dele, que orgulhosamente nos mostra os três tanquinhos utilizados para lavá-los. Além disso tudo, ainda sobra um tempinho para poder aconselhar e conversar com seus alunos.

E ainda conta que não pensa em deixar o gramado do Campo da Ferroviária tão cedo. Que o trabalho desenvolvido à frente da Escolinha de Futebol de João Neiva é a sua vida e enquanto tiver saúde, estará todos os dias tomando conta de tudo, como faz há 50 anos.

 

 

 

 

 

Data de Publicação: quarta-feira, 02 de outubro de 2019