Março Roxo: Epilepsia se combate com tratamento médico e informação

De  Priscila Nivea Leite Moreschi
16 de março de 2023 às 00h00.

A epilepsia é uma doença ainda cheia de tabus

Março é o mês de conscientização sobre a epilepsia. Uma doença ainda repleta de tabus e mitos, mas que aos poucos, por meio da ciência e da informação vai se tornando cada vez mais conhecida, e os pacientes, libertos de preconceitos.

A epilepsia é uma alteração temporária e reversível do funcionamento do cérebro, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos e se expressa por crises epilépticas repetidas.

A doença tem várias causas. Uma crise epiléptica pode ser desencadeada por uma lesão no cérebro, decorrente de uma forte pancada na cabeça, uma infecção (meningite, por exemplo), neurocisticercose (“ovos de solitária” no cérebro), abuso de bebidas alcoólicas, de drogas, etc. Às vezes, algo que ocorreu antes ou durante o parto.

As crises epilépticas podem se manifestar de diferentes maneiras: a crise convulsiva é a mais comum. A pessoa pode cair no chão, apresentar contrações musculares, salivação intensa e respiração ofegante.

Outra forma de manifestação é a desconexão completa da realidade. A pessoa fica com o olhar fixo, perde contato com o meio por alguns segundos, como se estivesse “desligada”. Geralmente é de curta duração.

A pessoa também pode ficar em estado de “alerta”, fazendo movimentos automáticos, como ficar mastigando, falando de modo incompreensível ou andando sem direção definida.

Existem outros tipos de crises que podem provocar quedas ao solo sem nenhum movimento ou contrações ou, então, ter percepções visuais ou auditivas estranhas ou, ainda, alterações transitórias da memória.

Como se percebe, a epilepsia é uma doença orgânica como outra qualquer, sem causas sobrenaturais ou misteriosas. Seu tratamento é feito por meio de medicamentos que evitam as crises. Em casos mais graves, é possível intervenção cirúrgica.

Ao perceber que alguém está em um crise epilética é necessário proceder da seguinte forma: Coloque a pessoa deitada de costas, em lugar confortável, retirando de perto objetos com que ela possa se machucar, como pulseiras, relógios, óculos; introduza um pedaço de pano ou um lenço entre os dentes para evitar mordidas na língua; levante o queixo para facilitar a passagem de ar;
 afrouxe  as roupas; caso a pessoa esteja babando, mantenha-a deitada com a cabeça voltada para o lado, evitando que ela se sufoque com a própria saliva;
quando a crise passar, deixe a pessoa descansar; verifique se existe pulseira, medalha ou outra identificação médica de emergência que possa sugerir a causa da convulsão; nunca segure a pessoa (deixe-a debater-se); não dê tapas;
não jogue água sobre ela.

“A melhor forma de lidar com a epilepsia é estar bem informado. É preciso retirar os preconceitos sobre a doença e procurar ajuda. Em João Neiva, a população pode procurar as Unidades Básicas de Saúde para fazer o diagnóstico e ter acesso à medicação, disponibilizada gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde”, destaca a enfermeira da Secretaria Municipal de Saúde Evelyn Freire Santos Pessotti.

REDES SOCIAIS

  • Ícone do Youtube
  • Ícone do Facebook
  • Ícone do Instagram

Atendimento ao Público

  • O funcionamento da Prefeitura Municipal de João Neiva, de Segunda a Sexta 07:00 às 11:00 e de 12:30 às 16:30.

Fale Conosco

  • WhatsApp: (27) 99613-1425
  • E-mail: ouvidoria@joaoneiva.es.gov.br

Endereço

  • Av. Presidente Vargas, 157 - João Neiva - ES

Copyright © 2023 Prefeitura Municipal de João Neiva. Todos os direitos reservados.

Logo da Ágape

Política de Privacidade

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com as condições contidas nela.